23 May 2012

TYRION LANNISTER - Herói ou vilão?

A Song Of Ice and Fire tem conquistado espaço e multiplicado os seus fãs a cada dia que passa, tanto com os quatro livros já publicados como pela série apresentada na HBO. Logo, é absolutamente comum presenciar ou estar participando das discussões sobre a série nas mesas de bar (ou nos intervalos das seções de RPG) de todo o Brasil.

Pois bem. Eis aqui a questão mais discutida quando o assunto é a tão famosa guerra dos tronos de George R. R. Martin: Como e porque Tyrion Lannister (supostamente vilão) pode ser tão adorado como uma das personagens mais fascinantes da série? Mostraremos aqui alguns atos que nos levam a crer que o nosso Duende predileto “joga nos dois times”


Peter Dinklage - O interprete do Duende na série da HBO



Porque vilão?
- Dentre todas as características maléficas desta bamboleante personagem, o principal motivo (e o mais óbvio) dele ser considerado um temido vilão é o fato de ser um dos filhos do leão Tywin Lannister.
 Astuto, inflexível e cruel, o velho leão arquiteta planos para conquistar o trono de ferro para a sua família desde os tempos em que a família Targaryen ocupava o cargo. O orgulho é um temperamento típico de quem veste carmesim, o mesmo orgulho típico dos vilões durante milhares de anos.

- Apesar de ser pequeno, deformado e feio, o Duende não teme nada nem ninguém. Sempre tem um plano de fuga, consegue escapulir por entre os dedos dos seus perseguidores (como o brilhante plano que o levou a escapar ileso do vale Arryn) e sempre consegue se vingar, quando assim o promete. “Um Lannister sempre paga as suas dívidas”, é o que costuma dizer. Destaque para o encarceramento e a “sutil” depilação do Grande meistre Pycelle, em “A tormenta das espadas”.


Porque amado?
- Curiosamente, o principal fato de ele ser tão amado pelo grande público é por ser um Lannister e, ainda assim, atormentar sua própria família. “O inimigo do meu inimigo é meu amigo”. Este ditado se aplica bem à filosofia do Duende. Apegamo-nos a ele por se opor e por combater personagens bem mais odiados. Sua irmã Cersei, por exemplo, e seu sobrinho Joff.

- Tyrion Lannister é, sem dúvida, a mente mais brilhante do livro, apesar de quase sempre se mostrar pomposo e irônico. Esta ironia e sarcasmo que fazem os fãs irem ao delírio com cada ato seu na trama. Compete com Lorde Mindinho e seu próprio pai o título de homem mais inteligente de toda a Westeros.
Suas constantes visitas aos prostíbulos e sua parceria sempre insegura com o mercenário Bronn também merecem ser lembradas. São detalhes que aprimoram (e apimentam) ainda mais a saga do Duende.

- Apesar de estar sozinho no universo, ser vítima de preconceito e motivo de chacota, o anão é uma pessoa leal e tem uma incomum empatia com a família Stark. Casou-se com Sansa, mas mesmo assim respeitou a jovem e abdicou seus direitos de marido. Muito antes, em uma visita à muralha, trocou figurinhas com o jovem Jon Snow. Disse a verdade quando Catelyn o acusou da tentativa de assassinato do pequeno Bran.


Enfim. Ainda não está claro de que lado Tyrion Lannister realmente está. O que está claro é que ele joga o jogo dos tronos muito melhor do que muitos que realmente almejam conseguir conquistar o lugar mais cobiçado de Westeros. Sua luta é pela sobrevivência e sua melhor espada é a sua cabeça pensante. Vilão ou não, nosso anão favorito (que foi o centro da trama no segundo livro das crônicas) está um pouco afastado das nossas vistas, pois "O Festim dos Corvos" tratou de concentrar seu enredo em seus irmãos mais velhos. Há quem diga que O Festim não foi tão aceito pelos leitores justamente por conta de sua ausência.
Aguardamos ansiosamente o retorno do Duende em “A Dança dos Dragões”, só para poder saber por onde se encontra desta vez. Que venha o próximo livro!!


Cogitare vis.


1 comentários:

  1. A segunda temporada só veio para reforçar que ele é um herói. Ótimo post!

    ReplyDelete